Comer bem antes da concepção

Geralmente os casais planeiam cuidadosamente a chegada dos filhos; Que sejam saudáveis, é sempre o maior desejo; neste aspecto concreto, o papel da futura mãe pode ser decisivo: Esta tem de preparar o seu organismo para a gravidez.

Dietas de emagrecimento
Iniciar uma dieta injustificada, não vigiada ou radical, pode desencadear consequências nefastas:
– Põe em risco a própria gravidez, pois uma dieta pode acarretar distúrbios hormonais que afectam a regularidade do ciclo menstrual, tornando mais difícil a produção de óvulos de qualidade.
– Os regimes de emagrecimento provocam a delapidação das reservas de nutrientes no organismo que são precisas pelo feto, como os ácidos gordos essenciais, as proteínas as vitaminas e minerais.
Perante um excesso de peso (IMC superior a 25) ou obesidade (IMC superior a 30), recomenda-se uma dieta equilibrada, concebida e supervisionada pelo médico.

Regimes para ganhar peso
Magreza excessiva é potencial inimiga da gravidez saudável.
Se o IMC (índice de massa corporal) é inferior a 20, a mulher fica exposta a diversos perigos, que são tanto mais pronunciados quanto menor for o IMC:
– Dificuldade em engravidar
– Falta de reservas energéticas para fornecer ao feto
– Carências nutricionais
O médico obstetra saberá qual o procedimento a adoptar nestas circunstâncias.

Alimentação versus método contraceptivo
O método contraceptivo adoptado pode interferir no equilíbrio alimentar.
O uso de DIU geralmente aumenta a duração e volume do fluxo e por esse motivo, predispõe a carência de ferro. Por outro lado, a contracepção oral é susceptível de provocar carência das vitaminas B6, B9 (ou ácido fólico) e B12, pelo que se deve privilegiar alimentos ricos nestas vitaminas no trimestre que precede a contracepção.

Livre-se dos tóxicos
Todas as substâncias tóxicas, como o álcool e alguns medicamentos, devem ser suprimidas. Fale com o seu médico ou Farmacêutico.